Notícia


Para o técnico Vladimir de Jesus, Cancão "Tem muita coisa para evoluir"


A avaliação contida na declaração do treinador Vladimir de Jesus, dada após a vitória sobre o Petrolina no último domingo no Adauto Moraes, reflete o grau de exigência do comandante juazeirense sobre sua visão sobre o futebol que pretende implantar na equipe na disputa do campeonato baiano.

Tendo em mãos um grupo profundamente modificado em relação à temporada passada, o mineiro que fez fama dirigindo equipes do futebol cearense, luta contra o tempo nos primeiros 30 dias de trabalho, buscando definir um elenco de jogadores talentosos, que se encaixem no perfil do conjunto que ele julga o ideal.

Após vitórias nos dois primeiros jogos-treino contra equipes amadoras, o primeiro teste pra valer aconteceu neste domingo 5, no Adauto Moraes, contra o Petrolina. Na conversa com o site do clube, Vladimir falou das carências em posições importantes da equipe, e, otimista, espera fazer uma boa estreia no dia 22 contra o Bahia.

Confira um resumo do que falou o treinador da Juazeirense.

Que análise o senhor faz da partida contra o Petrolina?

“Nós vencemos, mas tem muita coisa para evoluir. Tem muito trabalho a se fazer. Nós jogamos o primeiro tempo muito abaixo do que a gente vem produzindo nos treinos. Foi boa a conversa no intervalo. Melhoramos no segundo tempo, as peças que entraram ajudaram muito. A movimentação do Travassos e do Gugu pela direita produziram jogadas que levaram dificuldades ao Petrolina, e a movimentação do Café na frente também foi muito boa.

Nós temos um elenco, um grupo forte, e agora precisamos achar os melhores para começar e aqueles que no banco podem entrar e conquistar uma virada como essa.

É muito bom vencer, mas a vitória não pode anestesiar os erros que a gente tem. Nós ainda temos tempo para corrigir e trabalhar”.

Individualmente, o elenco está correspondendo à expectativa?

“Não, a gente sabe que fim de pré-temporada ainda tem uma carga física alta, você ainda sente jogadores presos, sem poder mostrar a mobilidade que a gente gostaria que tivesse. Tecnicamente, sim. Mas, ainda no conjunto, quando você coloca dentro do campo, você vê que ainda tem a necessidade da parte física para poder mostrar todo potencial.

Nós ainda precisamos contratar dois goleiros, pelo menos mais um zagueiro e na frente (ter opções) de uma mobilidade maior com jogadores velozes e de força.

Esses quinze dias finais da pré-temporada serão importantes para a gente ganhar velocidade, explosão e o sprint que vai fazer com que a gente tenha uma grande estreia